Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010

Ensitel assim a dar para o lamechas

Já muito se tem falado sobre o caso Maria João Nogueira/Ensitel. Só se estiveram nos últimos dias debaixo de uma pedra é que não sabem o que se passa. Se for esse o caso façam o favor de ver aqui, aqui ou aqui. Os protestos multiplicam-se, as manifestações de solidariedade crescem como cogumelos. Não há muito mais a dizer a não ser sublinhar novamente que aqueles senhores deveriam contratar a mais profissional agência de comunicação para os assessorar. Se bem que desta já não se safam. Sempre que alguém passar por uma loja Ensitel por muitos e longos anos vai pensar duas vezes antes de entrar.

Resumindo, já não me apetece falar destes senhores. Vou falar da senhora em questão que fez despoletar o maior movimento de que há memória e que já é um case study no que às técnicas de comunicação diz respeito.

O pessoal dos blogs conhece a Jonasnuts. Eu conheço a Jonas. Foi minha chefe durante um ano e picos. Neste momento já não é, porque eu mudei de função, mas continua a ser a minha companhia diária no fumatório.

Há uns tempos, estávamos nós em reunião, o meu telefone tocou. Vi que era a minha mãe e saí da sala para atender. A minha mãe, que estava no Alentejo por causa do estado crítico de saúde de uma irmã dela, informa-me que a minha tia tinha acabado de morrer. Troquei mais uma ou duas frases, desliguei o telefone e voltei para a sala.

A Jonas percebeu que algo se passava e quando a reunião terminou perguntou-me “Passa-se alguma coisa?”. Contei-lhe o sucedido e a resposta imediata foi: “E o que é que ainda estás aqui a fazer? Vai-te embora, a tua mãe precisa de ti.”.

Eu não lhe tinha pedido nada. Não precisei.

Esta é a Jonas que eu conheço. É a Jonas que está sempre pronta a lutar pelos seus ‘meninos’, pela sua equipa. Que se indigna e dá voz a quem não a tem. Que defende com unhas e dentes as equipas que lidera.

E esta é a Jonas que está a ser intimada por uns tubarões para remover os posts do seu blog.

Há umas horas, no Facebook, uma amiga minha de longa data observou que não me queria ter por inimiga por causa da campanha que eu persisto em fazer a favor da Jonas. Aqui está a explicação. Estou apenas, e dentro das minhas possibilidades, a retribuir um pouco o que a Jonas faz diariamente.

Só espero que ela não leia este post, porque sei que não iria gostar de ver expostas as suas facetas mais gritantes: humanidade e justiça.

E pronto… tenho dito!

publicado por TNT às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2009

Exposições indesejadas

Ao passear pelas redes sociais deste mundo virtual, verifico que as pessoas mostram os álbuns de família sem quaisquer pudores ou receios.
Da criancinha no bacio, à criancinha junto da escola devidamente identificada, da criancinha à porta de casa dos avós até à criancinha na praia de férias com a família, todos estes pormenores podem ser utilizados por mentes menos bem-intencionadas.

Sei que as pessoas têm imensa necessidade de se mostrarem. Imensa necessidade de protagonismo. Mas será que não podem reservar esse protagonismo para si próprias e deixarem as criancinhas em paz? Quando as ditas crianças crescerem logo decidirão se querem expor-se ao mundo inteiro. E, principalmente, quando já tiverem idade e físico para fugirem ou pregarem um par de murraças a quem as tente assediar.

Vejo grandes preocupações entre os pais, tios, avós em protegerem os petizes das suas famílias. “Não fales com A ou B, não aceites coisas de estranhos, vou buscar-te à escola às 16H00 em ponto, mas, entretanto, se não te importas, pespeguei uma foto tua na minha página na net com a legenda ‘Praia das Maçãs – as eternas férias em família’ a que podem aceder milhões de pessoas, algumas delas pedófilas. Não há problema, pois não?”.

Alguém me explica?

 

TNT

publicado por TNT às 15:32
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Setembro de 2008

A mesquinhez dos intolerantes

Noutro dia, numa aula de escrita, ouvi uma observação muito curiosa.
O tema era o que as pessoas realmente gostavam de ler, a intriga e o volte-face.
E um dos exemplos dados foi o seguinte: “quando o Sócrates foi à Venezuela, nos jornais, só se lia que ele tinha fumado no avião. Ninguém quis saber nada sobre os acordos que ele foi lá fazer que, à partida, seriam muito mais benéficos para o país e para as pessoas...”

É verdade... triste, mas verdade!

Eu quero lá saber se o Sócrates fuma no avião, se tem namorada ou se está a fazer dieta! Interessa-me muito mais se ele me conseguir baixar o preço dos combustíveis lá com o seu amigo Chávez. Ou que consiga que empresas portuguesas entrem no mercado sul-americano. A mim, isso interessa muito mais.

As pessoas não querem saber se os nossos actos são benéficos. Só querem saber se estávamos bem vestidos, se sorrimos convenientemente ou se metemos o pé na poça. As pessoas dizem mal, porque gostam de dizer mal. E só isso interessa. Gostam de se queixar, mas não se esforçam por mudar. Querem apenas dizer mal e embirrar só porque sim! Têm cabeças pequenas e elas próprias são muito pequenas, quase insignificantes. Tão insignificantes, desinteressantes e mesquinhas, que precisam dos percalços dos outros para se sentirem melhores.

E, infelizmente, esta mentalidade imbecil prejudica-nos muito mais do que possamos supor. Põe em causa a nossa evolução. Não é à toa que passamos a vida “na cauda da Europa”. Não se pode culpar sempre as pessoas que estão à frente dos desígnios do país. Corruptos, existem em todos os países. Favorecimentos, em todas as autarquias de todo o mundo. Então, porque será que nós é que estamos sempre atrás?

Será que algum dia teremos a grandiosidade de assumir culpas? Ou será que nos achamos todos donos da razão e da moral, não abrindo nunca excepções?

A reflectir, se for caso disso...

Há uns anitos atrás, o JFK voltou-se para a população com a mensagem “Não perguntem o que o vosso país pode fazer por vós. Perguntem o que podem fazer pelo vosso país”. Apelou ao espírito de missão dos americanos. E eles corresponderam. Esqueceram que não podiam estar sempre a exigir, tinham também de dar sem que ninguém lhes tivesse de pedir. Depois, foi assassinado...

As crises - sejam elas sociais, económicas, financeiras ou de valores - deveriam servir para que as pessoas olhassem para dentro delas e pensassem: será que eu podia ser melhor? Será que há pessoas que, para além de mim, possam também ter razão?

Mas a mesquinhez das pessoas pequenas não nos deixa sequer o benefício da dúvida.
Espero que, pelo menos, consigam dormir descansadas...

 

TNT
 

publicado por TNT às 14:40
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

Dicionário obtuso...

intolerante


do Lat.  intolerante


adj. e s. 2 gén.,
que não é tolerante;
intransigente;
ríspido;
inflexível;
pessoa que não admite opiniões nem crenças contrárias às suas;
que se opõe aos princípios da liberdade.

publicado por TNT às 10:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Julho de 2008

Os Edifícios Devolutos e as Amy Winehouse deste mundo...

Vou aqui abordar um tema que tenho evitado ao longo de anos por saber que tenho uma opinião algo radical. Mas a verdade é que estou completamente farta dos toxicodependendentes, drogados, agarrados, junkies e de tudo o que eles acarretam.

Ontem, como toda a gente sabe, houve um grande incêndio na baixa lisboeta. Por o assunto me tocar pessoalmente e por saber que a maior parte destes incêndios urbanos têm o seu início em faltas de cuidado na preparação das drogas de gente que habita edifícios devolutos, venho aqui mostrar a minha indignação.

Edifícios devolutos há em todos os grandes centros urbanos com tudo o que há de bom e mau em todas as grandes cidades. De Londres a Nova Iorque de Paris a Lisboa, todos quantos já viajaram, sabem que esta é uma realidade transversal que não olha a geografias.

Ontem foram accionados meios – bombeiros e polícia – com grande eficácia, e há que reconhecer o excelente trabalho dos profissionais a quem pagamos e dos outros que ainda têm mais valor por serem voluntários. Mas a verdade é que os prejuízos foram imensos, tanto materiais, como patrimoniais, como emocionais. E estes não há quem pague!

Estou farta de saber que todos quantos pagam impostos, contribuem para as salas de chuto, para os cuidados médicos dos toxicodependentes, para a distribuição de seringas. Estas contribuições não as podemos evitar. Que remédio! Temos um Estado sensível as estas causas, com preocupações sociais que me confundem....

No entanto, as pessoas acabam por contribuir para o flagelo social que é a droga ao dar a moedinha para o arrumador, ao comprar o telemóvel do amigo do amigo que arranjou sabe-se lá onde, ao comprar os discos e bilhetes dos concertos da Amy Winehouse que depois acaba por cair em palco, desrespeitando inteiramente quem lhe paga o ordenado e até chegando a agredir fisicamente quem lhe compra as casas e lhe paga as fianças do marido.

F*da-se!!! Estou farta de tantas regalias e privilégios!
Estou farta de tanta vitimização a dizerem que são doentinhos!
Estou farta que incendeiem edifícios impunemente!
Estou farta de os ver estendidos à minha porta e ter de pular por cima para entrar em casa!
Estou farta deles e do mal que provocam às suas famílias e do mal que espalham ao seu redor!
Estou farta! E sou radical ao ponto de dizer que só deveriam servir para adubo!

Desculpem o desabafo... mas ontem o calor das chamas chegou mesmo muito perto...
 

publicado por TNT às 16:48
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2007

Memórias de fim-de-semana...

Irritam-me solenemente aquelas pessoas que por se sentirem inferiores, fazem questão de humilhar os outros sempre que podem. Creio que esta é a forma de se sentirem melhores e superiores.

Lembro-me que quando andava no liceu, fazia parte do grupo dos ditos populares. Lembro-me que as miúdas mais giras eram as mais descontraídas e falavam com quase toda a gente.
Lembro-me que as mais feiinhas e inseguras não falavam com ninguém exterior ao grupo, andavam sempre de nariz no ar e gozavam com quem as fosse cumprimentar, como se os outros nem dignos fossem de lhes olharem para a cara.

Pensei que estas memórias tinham ficado no liceu. Porém, não...

As mais mal-dispostas, mais amargas e mais não-comidas, continuam a ter os comportamentos que já tinham. Tratam mal as pessoas e sempre que podem achincalhar o próximo, lá estão elas prontinhas. Como se tivessem mais créditos assim. Como se alguém gostasse mais delas assim. Como se alguém lhes pegasse, como se alguém algum dia, se lembrasse de as comer, com este feitiozinho.

Eu sou snob. Todos os que me conhecem, sabem.
Sou snob em relação a gente estúpida que não quer evoluir, a gente rasca e a gente falsamente moralista.
Sou snob em relação àqueles que se armam em progressistas e em modernos e depois criticam comportamentos menos ortodoxos.
E snob me confesso, em relação a gente má, inferior e amarga.

Tenho dito!

TNT
publicado por TNT às 17:11
link do post | comentar | ver comentários (25) | favorito
|
Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

O Síndrome Calimero...

Não quero com este post armar-me aos cucos mas sinto-me injustiçada...

Aparentemente farto-me de publicar verdades absolutas que são encaradas como loucuras e devaneios de uma gaja a chegar aos 40, com a mania que é moderna. Ora quando me refiro a verdades absolutas, quero com isto dizer, que depois de publicar algumas das minhas dissertações, sobejamente criticadas e refutadas de forma muitas vezes implacável, vêm pensadores e líderes de opinião com as mesmas teorias e toda a gente aplaude.

Ora bem... por esta ordem de ideias eu também devia ter um tacho qualquer, num qualquer canal de televisão e quem sabe, se assim não seria levada mais a sério!

Passo a exemplificar e a provar a razão de me sentir injustiçada: em Fevereiro deste ano, neste mesmo blog, falei de uma questão que me incomodava nos espaços públicos da mesma forma que o fumo incomoda. Disse que deviam haver zonas interditas a crianças, da mesma forma como existem espaços interditos a fumadores, uma vez que, as primeiras podem ser tão ou mais incomodativas que os segundos. Os comentários que recebi publicamente até foram de alguma solidariedade e simpatia. Porém, quem se escusou a comentar publicamente, olhava-me de soslaio como se eu tivesse uma daquelas doenças manhosas altamente contagiosas e contraídas em ambientes fétidos e viciosos, apenas frequentados por “gente da minha laia”!

Passados alguns meses, o ilustre Miguel Sousa Tavares fala desta mesma questão, faz exactamente a mesma comparação no espaço semanal da TVI e creio que numa crónica algures, e não se falava noutra coisa! Que realmente ele tinha razão, que era precisa coragem para dizer uma coisa daquelas, que homens destes já não há, etc...

Hum...

No final de Abril, aquando do aniversário do Interno Feminino e na minha ode ao sexo masculino, refiro que o essencial nas qualidades do homem era o seu desempenho sexual e a sua capacidade para me fazer rir.

Os comentários a que fui sujeita... que o que eu queria era isto e aquilo (se quiserem dar-se ao trabalho de ler, aqui está). De cabra insensível a frívola, de ridícula a redutora, passaram vários mimos deste género por aquelas páginas. O que me valeu é que era o aniversário e apesar de tudo, os moçoilos não quiseram ser muito mauzinhos... e claro, a moderação de comentários!

Ontem no programa de rádio do Júlio Machado Vaz com Ana Mesquita e sob a égide do tema felicidade, o guru das relações e da plenitude, revela que a essência da felicidade dos tempos modernos, reside precisamente no sexo e no riso... Desmistificada a origem da felicidade só me apetece é dizer: olha que m**da! Isso sei eu! Mas o que se passa é que é preciso é ser dito por “alguém importante” para as pessoas acreditarem...

Ora agora digam-me lá, se não tenho razão em sentir-me injustiçada...?!

TNT
publicado por TNT às 02:32
link do post | comentar | ver comentários (45) | favorito
|

.outros blogs da menina

. Interno Feminino

. Experimentámos

.pesquisar

 

.posts recentes

. Ensitel assim a dar para ...

. Exposições indesejadas

. A mesquinhez dos intolera...

. Dicionário obtuso...

. Os Edifícios Devolutos e ...

. Memórias de fim-de-semana...

. O Síndrome Calimero...

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.arquivos

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Abril 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.visitas


.subscrever feeds